Resenha – Filme “Freud Muito Além da Alma”

O filme Freud Além da Alma retrata a trajetória do psicanalista Sigmund Freud, no que tange a elaboração de suas teorias. Baseadas nas experiências obtidas, inicialmente por intermédio da hipnose, descobre a existência do inconsciente e como pessoas diagnosticadas com histeria podem mitigar ou curar os sintomas decorrentes quando enfrentam as verdadeiras causas. 

Sigmund Freud, nascido em 1856 em Freiburg, mudou-se para Viena aos quatro anos de idade. Em Viena, iniciou sua trajetória acadêmica e atuou como médico neurologista. Percebendo os problemas psicológicos na influência do comportamento normal e anormal, direciona seus estudos a fim de compreendê-los.

O longa-metragem inicia mostrando a internação de uma paciente, em 1885, diagnosticada com histeria. No contexto histórico evidenciado, a histeria era negligenciada pela medicina, além de não haver tratamento e não ser compreendida. A psicologia valia-se, apenas, do estudo do consciente. A revelação da existência do inconsciente se deu posteriormente através das análises de Freud.

Assista ao filme aqui:

https://dailymotion.com/video/x2evtuv

Sigmund viaja então para Paris para assistir a uma palestra de Charcot. Nela, teve contato com os procedimentos da hipnose, utilizado para induzir o paciente a um estado mental similar àquele causado pelo trauma obtido. Percebeu então, que através da hipnose poderia criar ou eliminar sintomas e que a histeria estava associada a traumas psicológicos e não representava comprometimento fisiológico. A cura, estaria associada à descoberta das causas reais.

Em uma conferência, Freud menciona a existência do inconsciente e a utilização da hipnose para chegar-se a ele. Apesar das retaliações, obtém contato com o Dr. Breuer que lhe apresenta uma aplicação diferenciada do método. A paciente de Breuer sofria de insônia, ao ser induzida ao sono hipnótico começou a falar frases aleatórias e desconexas. Breuer então, lhe fez perguntas e descobriu que sua insônia se devia a um sonho no qual o pai dela era devorado por gatos de Nápoles, onde ele chegou ao óbito. Ao contar isso, voltou a dormir relaxadamente. A metodologia utilizada por Breuer chama-se método catártico.

Aos trinta anos, conseguiu uma bolsa de estudos com Breuer para desenvolver teorias referente às neuroses, e passou a receber os pacientes com histeria, valendo-se do método catártico para suas análises. Ao atender um jovem, descobre a evidência de sexualidade na infância e atração pelos pais, que mais tarde fundamentaria o complexo de Édipo, além de observar que a mente pode ser controlada pelo inconsciente. Desnorteado, pensa em desistir ao perceber que passou por trauma similar.

Breuer repassa sua paciente para Freud, que não se permite hipnotizar. Pois, o procedimento nutria nela uma paixão, transferida do pai para Breue. Então, para trata-la, Freud decide valer-se apenas do diálogo. Descobre que é possível chegar ao inconsciente através da fala. Essa metodologia ficou conhecida como o método de associação livre ou “a cura pela fala”, utilizado até os dias atuais. Neste método, o paciente fala o que lhe ocorrer no momento. O terapeuta apenas o estimula para que não rompa o fluxo verbal, evitando distrações.

Para tanto, foi fundamental compreender os níveis de consciência existentes, os quais foram classificados em: consciente, pré-consciente e inconsciente. A consciência representa tudo o qual tem-se noção de estar acontecendo em um determinado momento. O pré-consciente, ou subconsciente, são memórias/lembranças que podem ser acessadas a qualquer momento. Enquanto o inconsciente é todo material reprimido que não vem para o consciente, sendo clarificado através de sonhos ou pelo método de associação livre.

Por meio das experiências com o trauma pessoal e as terapias realizadas à paciente mencionada, pôde construir sua teoria do Desenvolvimento Psicossexual. Para ele, a personalidade possui relação com o desenvolvimento do instinto sexual, evidenciado desde o primeiro ano de vida. Com isso, o termo “sexualidade” passou a ter um sentido mais abrangente que o usual. A função biológica se refere à procriação para preservação da espécie. Mas, o que motiva é o prazer, este é oriundo de inúmeros fatores como: o ato sexual, alimentar-se, o amor dos pais, etc.

 Sua teoria é constituída das seguintes fases:

  • Fase oral: apresentada no primeiro ano de vida. A satisfação sexual é tida através da sucção, durante a amamentação. Caso a criança não passe adequadamente por esta fase, poderá no futuro buscar prazer em torno da boca, por exemplo: gulosos, fumantes ou tagarelas.
  • Fase anal: evidenciada no segundo e terceiro ano de vida. O prazer é obtido na evacuação ou retenção das fezes. A consequência está na formação de uma personalidade avarenta ou com mania de arrumação, etc.
  • Fase fálica: presente do terceiro ao quinto ano. A criança descobre o seu sexo e os órgãos genitais. Nesta fase, também há o enquadramento do Completo de Édipo, teoria que diz que há uma relação de amor entre a criança e seu genitor do sexo posto, enquanto sente ciúmes do genitor do mesmo sexo. Nesta fase, há a interiorização das características de gênero. A histeria pode ser uma consequência se a fase não for superada.
  • Fase de latência: ocorre do quinto ao décimo segundo ano. Refere-se ao período de aprendizado do controle dos impulsos sexuais e dos pensamentos lógicos.
  • Fase genital: a partir do décimo segundo ano. O foco de desejo deixa de ser a si próprio para ser o sexo oposto.

Apresentar as conclusões obtidas no congresso internacional lhe trouxe frustração. Os novos conceitos sobre sexualidade não foram bem aceitos, pois chocaram-se com os paradigmas e de um contexto social de intolerância. As pessoas ainda não estavam preparadas para interiorizar estes conhecimentos. Em suas conclusões, este era o dilema de todo ser humano. O que definiria a normalidade e anormalidade era o êxito das fases acima apresentadas, assim como a harmonia entre os três sistemas estruturais da personalidade: o ID (componente biológico), ego (componente psicológico) e o superego (componente social).

Conheça as principais obras de Freud:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s